Quando a medicação não é recomendada? – A fluoxetina deve ser usada com cuidado — ou não administrada — nos casos em que os pacientes apresentem quadros de:

diabetes;histórico de convulsões ou epilepsia;elevada pressão intraocular ou que tenham risco de glaucoma de ângulo estreito agudo;cirrose;arritmia;histórico de abuso de drogas ou pensamentos suicidas;doença renal;crianças com menos de 7 anos;mulheres grávidas ou amamentando (salvo com orientação médica específica).

Ver resposta completa

Quem é diabético pode tomar fluoxetina?

O cloridrato de fluoxetina pode alterar o controle da glicemia, portanto atenção deve ser administrada a diabéticos que utilizam este medicamento.
Ver resposta completa

Quem tem diabete e pressão alta pode tomar fluoxetina?

Contraindicações e precauções – A principal contraindicação da fluoxetina é o seu uso em pacientes que estejam tomando, ou que tenham tomado nos últimos 14 dias, medicamentos que pertençam à classe dos inibidores da monoamina oxidase (IMAO) (ex: Isocarboxazida, Fenelzina ou Tranilcipromina).

  1. A fluoxetina deve ser utilizada com cuidado nos pacientes com diabetes, pois há um maior risco de hipoglicemia, e em pacientes com doenças hepáticas.
  2. Esse antidepressivo também deve ser evitado em pacientes em fase maníaca do distúrbio bipolar, pois pode agravar os sintomas.
  3. Apesar de não ser contraindicada, a fluoxetina costuma ser evitada na gravidez, já que existem outros antidepressivos mais seguros, como a Sertralina.

O mesmo raciocínio vale para as mulheres que estão amamentando. Os pacientes que tomam fluoxetina devem ser aconselhados a evitar o álcool, pois pode aumentar o efeito tóxico dos inibidores seletivos de recaptação de serotonina. Em particular, pode aumentar o risco de dano psicomotor.
Ver resposta completa

Qual melhor antidepressivo para diabéticos?

Homepage Pergunte Ao Especialista A Sertralina Aumenta A Glicemia?? Enfim Qual O Antidepressivo Mais Usado Em Quem Tem Dm2? Uns Sites

2 respostas A sertralina aumenta a glicemia?? Enfim qual o antidepressivo mais usado em quem tem DM2? Uns sites dizem que a sertralina não aumenta, outros dizem que sim, que dúvida que não há consensos. há evidências de que os inibidores seletivos de recaptura de serotonina (ISRS), incluindo a sertralina, não aumentam a glicemia, na verdade até podem melhorar os níveis glicêmicos, ou seja, é uma boa opcão para diabéticos.
Ver resposta completa

Pode tomar metformina junto com fluoxetina?

Homepage Pergunte Ao Especialista Médico Me Receitou Fluoxetina Para Ansiedade E Metformina Para O Diabetes. É Perigoso Essa Junção?

1 respostas Médico me receitou fluoxetina para ansiedade e metformina para o diabetes. É perigoso essa junção? Esta junção é segura e muitos pacientes fazem uso, sem maiores problemas. Importante lembrar que as reações medicamentosas e interferências medicamentosas são idiossincrásicas (ou seja, depende de cada pessoa, cada organismo).
Ver resposta completa

Quais os riscos de tomar fluoxetina?

Foram relatadas as seguintes reações adversas com cloridrato de fluoxetina: –

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): diarreia, náusea (vontade de vomitar), fadiga (cansaço), dor de cabeça e insônia (incluindo despertar cedo, insônia inicial, insônia de manutenção do sono), síndrome gripal (doença aguda com sintomas de febre, tosse ou dor de garganta, na ausência de outros diagnósticos), faringite (inflamação da faringe) e sinusite (inflamação dos seios da face). Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): palpitações (sensação do batimento cardíaco com mais força e/ou mais rápido que o normal), visão turva, boca seca, dispepsia (indisposição gastrintestinal), vômitos, calafrios, sensação de agitação, diminuição de peso, prolongamento do intervalo QT (prolongamento do período de condução elétrica no coração, o que pode ser causa de alterações do batimento cardíaco), diminuição do apetite, distúrbio de atenção, vertigem (falsa sensação de movimentos), disgeusia (alteração do paladar), letargia (sensação de lentidão de movimentos e raciocínio), sonolência (incluindo hipersonia e sedação), tremor, sonhos anormais (incluindo pesadelos), ansiedade, diminuição da libido, nervosismo, inquietação, distúrbio do sono, tensão, micções (ato de urinar) frequentes, distúrbios da ejaculação, sangramentos ginecológicos, disfunção erétil (dificuldade de obtenção e/ou manutenção da ereção do pênis), bocejo, hiperidrose (suor em excesso), prurido (coceira), erupções da pele, urticária (erupções da pele com coceira) e rubor (vermelhidão da pele) e labilidade emocional (instabilidade emocional). Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): midríase (dilatação da pupila dos olhos), disfagia (dificuldade para engolir), sensação de anormalidade, sensação de frio, sensação de calor, mal-estar, contusão, contração muscular, hiperatividade psicomotora, pensamento anormal, disúria (dificuldade ou dor para urinar), alopecia (perda de cabelos ), suor frio, tendência aumentada para contusão e hipotensão (diminuição da pressão sanguínea), epistaxe (sangramento pelo nariz), gastroenterite (inflamação aguda que compromete os órgãos do sistema gastrintestinal), hipertonia (tensão excessiva dos músculos, artérias ou outro tecido do organismo), aumento da libido (aumento do desejo sexual), reação paranoica (desconfiança ou suspeita altamente exagerada ou injustificada), arritmia (irregularidade dos batimentos cardíacos), tontura (alteração do equilíbrio corporal), constipação (intestino preso), flatulência (gases) e febre (aumento da temperatura corporal). Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): dor no esôfago, reação anafilática (reação alérgica grave generalizada), doença do soro, síndrome buco-glossal (problemas no sistema nervoso que atingem a boca – especialmente a língua), convulsão (contração involuntária e intensa dos músculos), hipomania (afeto exaltado, irritado, sem alterações dos sentidos), mania (crise de euforia), angioedema (coceira seguida de inchaço nas camadas mais profundas da pele), equimose (mancha roxa na pele devido à presença de sangue no tecido), reação de fotossensibilidade (reação da pele por sensibilidade à luz ), vasculite (inflamação dos vasos sanguíneos) e vasodilatação (aumento do diâmetro dos vasos sanguíneos), edema de laringe (inchaço da laringe), petéquias (pequenos pontos vermelhos na pele ou mucosas, causados por pequena hemorragia de vasos sanguíneos), púrpura (manchas e placas de cor roxa na pele, órgãos e mucosas) e síndrome abdominal aguda (dor no abdome, de aparecimento relativamente rápido, e que pode afetar em maior ou menor intensidade o organismo como um todo). Não relatados: distúrbios na micção (ato de urinar).

Ver resposta completa

Quem não pode tomar fluoxetina?

A principal contraindicação da fluoxetina é o seu uso em pacientes que estejam tomando, ou que tenham tomado nos últimos 14 dias, medicamentos que pertençam à classe dos inibidores da monoamina oxidase (IMAO) (ex: Isocarboxazida, Fenelzina ou Tranilcipromina).
Ver resposta completa

Qual é o melhor horário para tomar fluoxetina?

O ideal é tomar a Fluoxetina pela manhã, após o café. Como a maioria das pessoas se sentem mais ativas e dispostas com a medicação, o período da manhã é o melhor. Raramente, os pacientes sentem sonolência com a Fluoxetina, mas se esse for o seu caso, fale com o seu médico e, possivelmente, ele modificará o horário.
Ver resposta completa

Qual a dosagem de fluoxetina para ansiedade?

Tire todas as dúvidas durante a consulta online – Se precisar de aconselhamento de um especialista, marque uma consulta online. Você terá todas as respostas sem sair de casa. Mostrar especialistas Como funciona? Quem Tem Diabetes Pode Tomar Fluoxetina A fluoxetina é uma das varias opções disponíveis para tratamento de Quadros de ansiedade. É uma das medicações mais antigas e tradicionais. Atualmente, há opções mais modernas e com melhor tolerabilidade. A dose varia de acordo com o quadro apresentado, mas, via de regra, se inicia com a menor dose, 20mg/dia.

  1. E bom lembrar, que nas fases iniciais de tratamento com a Fluoxetina, pode haver aumento rebote da ansiedade, caso não seja combinada com outro medicamento que previna tal efeito indesejado.
  2. Abraço A Fluoxetina é uma ótima opção medicamentosa para o tratamento dos transtornos de ansiedade, por ser um antidepressivo com ação serotoninérgica.

A dose terapêutica varia individualmente sendo autorizado o uso entre 20 e 80mg por dia. É necessário portanto o acompanhamento psiquiátrico para definir propostas e avaliar os efeitos do uso.

A fluoxetina pode atuar inibindo o apetite, causado pela olanzapina? Ola, sinto dor na garganta quando tomo Fluoxetina, o que devo fazer? É uma dor insuportável sabe, quero desistir desse remédio. Trocar pela em gota é uma boa opção? Ou devo tentar algum tratamento alternativo, alimentação, exercício, distrair a cabeça. Estou tomando Cloridrato de Fluoxetina a 3 meses, a princípio não tive efeitos colaterais, mas agora comecei a sentir tremores, visão turva e hipotensão. O que eu devo fazer, nesse caso? Fora isso, estou sentindo muito bem com a medicação. Se eu optar por continuar com o mesmo tratamento, tem algo que Vejo relatos de que a fluoxetina pode causar arritmia, mas no meu caso ocasionou efeito contrário. Eu tomo 40mg de ritalina por dia e tal fármaco me deixava com os batimentos acelerados, agora associando com a fluoxetina 40mg (mesmo nos primeiros dias) tal situação normalizou. A tendência é continuar Em quanto tempo os efeitos colaterais da fluoxetina melhoram? Além da redução de apetite e cansaço, também estou com sintomas de síndrome gripal após o início do tratamento. Após o término da fluoxetina,quanto tempo devo esperar para tomar cerveja?Boa tarde. Quanto tempo demora os efeitos secundários da fluoxetina a passar?cada dia tem aparecido mais um sintoma diferente,Estou a tomar a medicação a 20 dias e hj estou com dor nas articulações e urticária. É normal para além de mau estar geral cansaço e sudorese intensa? 0brigada Tomo fluoxetina e da calafrios, meus membros ficam formigando, pés gelados, isso são reações da fluoxetina? já tomo a seis meses. Posso tomar escitalopram junto com o passiflora??? Tomo antidepressivo há 20 anos será que os medicamentos ainda fazem efeito?

Ver resposta completa

Como a fluoxetina age no cérebro?

O experimento – Apesar de comumente associada à experiência humana, a solidão objetiva pode ser induzida em animais de laboratório, privando-os do contato físico com indivíduos específicos. Roedores, por exemplo, tendem a desenvolver sofrimento emocional e comprometimento cognitivo.

Para o estudo, uma criação de camundongos foi posta em isolamento social durante sete dias, distribuídos em ambientes com condições diversas. Foram utilizados 164 espécimes adultos (8-12 semanas de idade) e 36 juvenis (21-35 dias de idade), que passaram por série de análises comportamentais, morfológicas e neuroquímicas.

Os resultados mostraram que camundongos em isolamento social exibem estado depressivo que pode ser evitado quando estão inseridos em ambiente enriquecido, ou seja, que passou pela adição de fitas, pedaços de plástico, rolos de papelão e brinquedos na gaiola.

  • O quadro dos animais também melhora com o uso dos antidepressivos fluoxetina e desipramina.
  • O primeiro, em especial, foi capaz de neutralizar o efeito deletério da solidão na memória social, aquela associada ao reconhecimento dos semelhantes.
  • O mecanismo pelo qual atuam a fluoxetina e a desipramina, dois antidepressivos amplamente usados na clínica, não é o mesmo.
You might be interested:  Como Calibrar Aparelho De Diabetes?

Para alguns casos de depressão em que são detectados déficit de memória, seria mais interessante usar fluoxetina e não desipramina. Além disso, nossos achados reforçam a hipótese de que a formação de novos neurônios está associada aos efeitos da fluoxetina” Grace Schenatto Para chegar à segunda conclusão, foram analisadas a proliferação celular, a neurogênese e a astrogênese após o tratamento com antidepressivos.

  1. As análises indicam que a fluoxetina age via mecanismo dependente de neurogênese para melhorar a memória dos animais.
  2. E o bulbo olfativo, área olfatória primária do cérebro, apareceu como nicho com maior aumento na neurogênese após o tratamento com fluoxetina.
  3. Esperávamos que o efeito da fluoxetina fosse mais expressivo no hipocampo, uma região do cérebro importante para memória.

Entretanto, o bulbo olfatório foi a área mais sensível. Isso é muito interessante porque, para a ecologia do roedor, o bulbo olfatório é fundamental em sua relação com o meio que o cerca e com outros camundongos”, explica a professora da UFMG. Segundo a pesquisadora, o olfato é a principal modalidade sensorial em camundongos.
Ver resposta completa

Quais os antidepressivos que aumenta a glicose?

Depressão e diabetes mellitus

  • REVISÃO DA LITERATURA
  • Depressão e diabetes mellitus
  • Depression and diabetes mellitus
  • Renério Fráguas I ; Simone Maria de Santa Rita Soares I ; Marcelo Delano Bronstein II
  • I Instituto e Departamento de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP)
  • II Serviço de Endocrinologia e Metabologia da Divisão de Clínica Médica 1 da Unidade de Neuroendocrinologia do HC-FMUSP
  • Endereço para correspondência
  • RESUMO

O diabetes mellitus possui elevada prevalência, acometendo cerca de 7% da população brasileira. Em torno de 20% a 30% dos pacientes com diabetes apresentam depressão. A depressão pode atuar como um fator de risco para o desenvolvimento do diabetes, piorar seus sintomas e interferir com o autocuidado dos pacientes.

Quando não tratada adequadamente, a depressão nesses pacientes tende a evoluir com elevada taxa de recorrência. Entre os tratamentos disponíveis, encontramos na literatura um benefício da psicoterapia, cognitiva ou cognitivo-comportamental, para melhora dos sintomas depressivos, mas sem evidência de um benefício no controle glicêmico.

Os antidepressivos tricíclicos, em especial os com maior ação noradrenérgica, e os inibidores da monoaminoxidase (IMAOs) tendem a aumentar os níveis glicêmicos. A bupropiona não interfere na glicemia e há evidências de que os inibidores seletivos de recaptura de serotonina (ISRS) melhoram os níveis glicêmicos e podem reduzir a taxa de recaídas, mostrando-se boas opções de tratamento farmacológico.

A eletroconvulsoterapia também é uma estratégia interessante para esses pacientes, recomendando-se, no entanto, monitorização da glicemia. Não foram encontrados estudos significativos sobre os demais antidepressivos disponíveis para comercialização. Palavras-chave: Diabetes mellitus, depressão, tratamento, antidepressivo, prevalência, prognóstico.

ABSTRACT Diabetes mellitus has an estimated prevalence of 7% among Brazilian population. Around 20% to 30% of these patients have a depressive disorder. Depression can work as risk factor to the development of diabetes, can worse its symptoms and interfere with self-care.

When not adequately treated, depressive disorder in these patients tends to have high rates of recurrence. Among the available treatments literature shows a benefit of psychotherapy, mainly cognitive or cognitive-behavioral, in ameliorating depressive symptoms, but without impact on glycaemic control.

Tryciclic antidepressants, especially those with more noradrenergic profile, and monoamino oxidase inhibitors are associated with worsening of glycaemic control. Bupropion shows no action on glucose blood levels and there are evidences that serotonin selective reuptake inhibitors may improve the glycaemic levels and reduce the recurrence, being good choices to treat these patients.

  1. Key-words: Diabetes mellitus, depression, treatment, antidepressant, prevalence, prognosis.
  2. Introdução
  3. O diabetes mellitus constitui um grupo heterogêneo de doenças que tem como denominador comum a hiperglicemia decorrente da resistência à ação da insulina, secreção insuficiente deste hormônio, ou ambos.

É também associado a distúrbios do metabolismo lipídico e proteico. É distúrbio prevalente, acometendo cerca de 7% da população brasileira. Suas principais formas são o diabetes tipo 1, quando existe deficiência absoluta de insulina, e o diabetes tipo 2, caracterizado por resistência à insulina com insuficiente elevação compensatória da secreção desse hormônio. Mulheres que desenvolvem diabetes na gravidez são classificadas como tendo diabetes gestacional. Adicionalmente, o distúrbio pode ser ligado a defeitos genéticos específicos ou ser secundário a endocrinopatias, como síndrome de Cushing e acromegalia, drogas, pancreatites e infecções. Diabetes tipo 1 Compreende cerca de 5% a 10% dos casos de diabetes, resultando da destruição autoimune das células beta-pancreáticas. Os principais marcadores imunológicos do comprometimento pancreático são os anticorpos anti-ilhota, anti-insulina e antidecarboxilase do ácido glutâmico e estão presentes em 90% dos pacientes por ocasião do diagnóstico. O diabetes tipo 1 ocorre habitualmente em crianças e adolescentes, mas pode manifestar-se também em adultos, geralmente de forma mais insidiosa. Pacientes como essa forma de diabetes necessariamente dependem da administração de insulina. Existe relação comprovada entre controle inadequado e tempo de evolução do diabetes tipo 1 com a assim chamada doença microvascular, caracterizada por retinopatia, nefropatia e neuropatia diabética. Diabetes tipo 2 É a forma mais comum de diabetes, compreendendo cerca de 90% dos casos, dos quais 80% dos pacientes apresentam sobrepeso ou obesidade por ocasião do diagnóstico. É caracterizado por resistência à insulina e deficiência relativa da secreção do hormônio. Com o passar do tempo, principalmente nos casos malcontrolados, ocorre falência progressiva das células beta-pancreáticas, levando a insulinodependência. Raramente a insulinopenia pode estar presente ao diagnóstico. Muitos pacientes com diabetes tipo 2 apresentam obesidade centrípeta, que se associa ao aumento da gordura visceral, intimamente relacionada à resistência à insulina. Adicionalmente, esses indivíduos tendem a apresentar hipertensão arterial, dislipidemia caracterizada por triglicérides elevados e HDL-colesterol baixo, e elevação de fatores trombogênicos, caracterizando a chamada “síndrome metabólica”. Em razão desses eventos, os pacientes com diabetes tipo 2 apresentam risco aumentado de desenvolver complicações macrovasculares, que levam à doença coronariana e cerebrovascular. Essa forma de diabetes apresenta forte predisposição genética. Quadro clínico As manifestações clínicas do diabetes mellitus são divididas em agudas e crônicas. As manifestações agudas decorrem da hiperglicemia, que leva a poliúria, polidipsia, turvação visual, astenia, prurido vaginal e, dependendo do grau da deficiência insulínica, emagrecimento, cetoacidose diabética e coma hiperosmolar. Já as manifestações crônicas decorrem das micro e macroangiopatias, com retinopatia, proteinúria, insuficiência renal, neuropatia sensitiva e motora, neuropatia autonômica e quadros isquêmicos coronários, cerebrovasculares e de vasos periféricos, principalmente dos membros inferiores. Diagnóstico laboratorial Um paciente é considerado portador de diabetes mellitus quando apresenta glicemia randômica > 200 mg/dL, glicemia em jejum > 126 mg/dL, ou glicemia > 200 mg/dL duas horas após sobrecarga de glicose oral (75 g). Quando a glicemia em jejum encontra-se entre 100 e 125 mg/dL ou entre 140 e 199 ng/dL após sobrecarga de glicose, o indivíduo é rotulado como portador de tolerância à glicose alterada. A hemoglobina glicada, que reflete o controle glicêmico nos dois últimos meses, deve ser utilizada fundamentalmente para o seguimento da terapêutica e não para o diagnóstico do diabetes. Tratamento A dieta constitui a base do tratamento de qualquer forma de diabetes. Ela deve ser balanceada, contendo cerca de 50% a 60% de carboidratos, principalmente complexos e de baixo índice glicêmico, 30% de gorduras, com predomínio de mono e poliinsaturadas, e 10% a 20% de proteínas. Deve ser distribuída em pelo menos cinco refeições ao longo do dia, e seu valor calórico visa levar o diabético ao seu peso ideal. Pacientes com controle metabólico adequado se beneficiam de exercícios físicos. Tratamento medicamentoso Insulina É a base do tratamento do diabetes tipo 1, sendo empregada no tipo 2 de forma transitória em situações especiais como na não resposta aos agentes orais por toxicidade à glicose ou em procedimentos cirúrgicos, e de forma definitiva quando ocorre falência das células-beta. As insulinas humanas utilizadas são obtidas pela técnica do DNA recombinante e, do ponto de vista de duração da ação, classificadas como ultrarrápidas, rápidas, intermediárias e de efeito prolongado. A estratégia da insulinização se baseia em mimetizar ao máximo a secreção fisiológica do hormônio e, para tanto, podem ser empregados vários esquemas com diferentes combinações entre os tipos de insulinas. Antidiabéticos orais Dividem-se em sensibilizadores da ação da insulina (metformina e glitazonas) e secretagogos da insulina (sulfonilureias e glinidas). Adicionalmente temos drogas que reduzem a degradação do amido em glicose (acarbose), reduzindo a oferta prandial do monossacáride. A monoterapia ou a combinação de duas ou mais dessas drogas dependerão do estágio e do componente fisiopatológico da doença (se maior o componente de resistência à insulina ou de insulinopenia). Recentemente, foram desenvolvidas drogas capazes de mimetizar as incretinas direta (exenatide) ou indiretamente (inibidores da enzima DPP-4). As incretinas são hormônios intestinais que estimulam a secreção de insulina e inibem a do hormônio hiperglicemiante glucagon. O atraente mecanismo de ação dessas drogas constitui grande avanço no tratamento medicamentoso do diabetes tipo 2. Tratamentos especiais Pacientes com diabetes tipo 1 de difícil controle podem ser submetidos à transplante pancreático, principalmente quando, em consequência da uremia, têm indicação de transplante renal. O transplante de ilhotas pancreáticas isoladas é promissor, mais ainda em evolução. No diabetes tipo 2 sem resposta adequada aos tratamentos convencionais, tem sido empregada cirurgia de by-pass intestinal, visando ao aumento da secreção endógena de incretinas. Prognóstico A evolução das complicações do diabetes mellitus está estreitamente relacionada ao grau do controle glicêmico e também da dislipidemia, hipertensão e outros distúrbios associados. Felizmente dispomos de arsenal terapêutico adequado para atingirmos essas metas, mas, como em toda doença crônica, a colaboração e a motivação do paciente são imprescindíveis. Prevalência Estudos sobre prevalência de depressão costumam apresentar grande variação de resultados em função de diferenças metodológicas. Entre outros, os fatores que comumente contribuem para a discrepância nas taxas de prevalência são: utilização de entrevistas ou escalas, avaliação realizada por um entrevistador especializado e treinado ou autoavaliação, utilização de critérios diagnósticos internacionalmente reconhecidos ou apenas o estabelecimento da presença de sintomas depressivos. No caso específico do diabetes, outros fatores podem interferir na prevalência de depressão. Entre esses, cabe citar a inclusão de pacientes com diabetes tipo 1 e/ou tipo 2, a gravidade do diabetes, o tempo de história do diabetes, bem como o controle clínico do diabetes 1, Anderson et al, realizaram uma metanálise de 42 estudos sobre a prevalência de depressão em pacientes com diabetes, dos quais 20 estudos incluíram um grupo controle sem diabetes. Nos estudos controlados, a prevalência de depressão com entrevista estruturada foi de 9%. A depressão na população com diabetes foi mais frequente em mulheres (28%) do que em homens (18%), nos estudos sem grupo controle (30%) do que nos estudos que incluíram um grupo sem diabetes como controle (21%), em pacientes provenientes de serviços de saúde (32%) do que em pacientes da comunidade (20%) e quando a avaliação foi realizada por instrumentos de autoavaliação (31%) do que quando feita com entrevistas padronizadas (11%). Não houve diferença na prevalência de depressão entre o diabetes tipo 1 e tipo 2 2, Características clínicas Diagnóstico da depressão no diabetes O diagnóstico da depressão em pacientes com outras condições médicas sempre é acompanhado do problema da semelhança entre sintomas somáticos da depressão e sintomas da condição médica em questão, no caso o diabetes. Nesse sentido, sintomas como perda de peso e de apetite, hipersonia, diminuição da libido e retardo psicomotor têm sido citados como podendo decorrer do diabetes independente da depressão. Entretanto, a prática tem mostrado que o diagnóstico da depressão no diabetes não é tão controverso como em outras condições médicas como, por exemplo, o câncer. Uma estratégia recomendada na literatura é a utilização de outros sintomas depressivos que não esses possivelmente decorrentes do diabetes 3, Evolução da depressão associada ao diabetes Pouco se sabe sobre o curso da depressão associada ao diabetes. O estudo de Lustman et al, (1997) evidenciou que a depressão associada ao diabetes tende a recorrer ao longo dos anos. Realizando uma avaliação cinco anos após um ensaio terapêutico para depressão em 25 pacientes com diabetes, Lustman et al, encontraram persistência ou recorrência da depressão em 23 (92%) dos pacientes, com uma média de 4,8 episódios depressivos durante os cinco anos. Durante o primeiro ano após o tratamento, 58,3% dos pacientes que apresentaram remissão ficaram novamente deprimidos. No momento da avaliação, 16 pacientes (64%) apresentavam depressão e, nesses, a hemoglobina glicosilada estava significativamente mais elevada (gHb: 13,3% +/- 2,6% vs,11,1% +/- 1.9%, p = 0,03). Depressão como fator de risco para o diabetes Pelo menos três grandes estudos prospectivos sugerem que a depressão aumenta o risco para a ocorrência do diabetes tipo 2. O primeiro estudo desenvolvido por Eaton et al, avaliou 1.715 homens e mulheres, e treze anos após aqueles com depressão apresentaram risco relativo de 2,3 para a ocorrência do diagnóstico de diabetes, risco que praticamente se manteve mesmo controlando idade, raça, sexo, estado socioeconômico, educação uso de serviços de saúde, outros transtornos psiquiátricos e massa corporal. Cabe salientar, entretanto, que a importância desse risco foi marginalmente significativa, ou seja, o p foi de 0,08 4, Outro estudo prospectivo desenvolvido no Japão por Kawakami et al, com 2.764 homens encontrou risco de 2,3 (p < 0,05) para a ocorrência do diagnóstico de diabetes tipo 2 em um período de oito anos, após controlar para os diversos fatores de risco para o diabetes 5, Em um terceiro estudo prospectivo desenvolvido por Everson-Rose et al,, com 2.662 mulheres, a depressão foi fator preditivo para a ocorrência do diagnóstico de diabetes ao longo de três anos, mas essa associação era mediada pela adiposidade central 6,7, Em um estudo desenvolvido na Noruega, com 27.291 indivíduos na avaliação inicial, a depressão em conjunto com a ansiedade foi preditora de diagnóstico de diabetes tipo 2 em um período de dez anos independente de outros fatores de risco, chamando a atenção para que a comorbidade entre depressão e a ansiedade seja relevante para o aumento de risco para o diabetes 8, Recentemente, o Multi-Ethnic Study on Atherosclerosis investigou a incidência de diabetes tipo 2 em 5.201 indivíduos durante um período de 3,2 anos. Pacientes com elevada pontuação na escala CES-D na avaliação basal apresentaram risco 1,42 vez maior para a ocorrência de diabetes tipo 2. Para cada aumento de 5 pontos na escala de CES-D, o risco para a ocorrência de diabetes tipo 2 aumentava em 10%. O ajuste estatístico para possíveis confundidores mostrou que a depressão aumenta o risco para o diabetes pelo menos em parte via fatores ligados ao estilo de vida, como hábitos alimentares, sedentarismo e tabagismo 9, Um estudo prospectivo realizado durante o Programa de Prevenção à Diabetes (DPP), uma coorte racial e etnicamente diversa, composta por 3.187 indivíduos com sobrepeso com glicemia de jejum elevada e baixa tolerância à glicose, observou a associação entre sintomas depressivos e uso de antidepressivos ao desenvolvimento de diabetes durante aproximadamente 3,2 anos. Os participantes foram divididos em três braços, um com utilização de metformina (MET), o segundo com introdução de placebo (PLB) e o terceiro com orientações de mudança profunda no estilo de vida (ILS). A Beck Depression Inventory (BDI) foi usada para acessar sintomas depressivos. Altos escores na BDI não se correlacionaram a desenvolvimento de diabetes em nenhum momento do estudo. Entretanto, o uso de antidepressivos associou-se a diabetes nos grupos PLB e ILS, tanto no início como no decorrer do estudo. A significância manteve-se após controle dos fatores de confusão. Já no grupo MET não houve associação significativa 10,

You might be interested:  Quem Tem Diabetes Pode Comer Maionese?
  • Impacto da depressão no diabetes
  • A depressão no paciente com diabetes tende a comprometer os vários domínios da qualidade de vida, incluindo saúde física, saúde psicológica, relacionamento social, domínio ambiental e de pressão social, relacionada à saúde geral 11,
  • A presença de depressão em pacientes com diabetes foi associada a uma amplificação da sintomatologia, ou seja, aqueles com depressão apresentavam mais sintomas do que aqueles sem depressão, mesmo quando realizado ajuste estatístico para a gravidade do diabetes 12,
  • Etiopatogenia

Estudos com neuroimagem têm investigado a possibilidade de a depressão decorrer de um comprometimento cerebral do diabetes. De acordo com o estudo de Kumar et al, (2008), pacientes com diabetes tipo 2 (n = 52) apresentaram menor volume de substância cinzenta em região frontal e do cíngulo anterior quando comparados com controles normais (n = 26). Entretanto, considerando apenas os pacientes com diabetes, não se constatou diferença entre pacientes com (n = 26) e sem (n = 26) depressão 13, Outro possível mecanismo para explicar a associação entre depressão e diabetes é pelo aumento de catecolaminas na depressão. O aumento de catecolaminas tem sido associado a aumento da glicemia via diminuição de síntese de insulina ou aumento de resistência periférica à ação da insulina 14, Tratamento Psicoterapia A terapia cognitiva e a terapia cognitivo-comportamental (TCC) possuem reconhecida eficácia para o transtorno depressivo maior primário, ou seja, não associado a condições médicas 15,16, Lustman et al, investigaram, de modo randômico, a eficácia da terapia cognitivo-comportamental para a depressão maior comparando com ausência de tratamento específico para a depressão em 51 pacientes com diabetes tipo 2. Após 10 semanas de intervenção, a remissão da depressão foi obtida em 85% dos que receberam TCC e em 27,3% dos que não receberam tratamento específico para a depressão. Após seis meses de seguimento, 70% dos pacientes no grupo que recebeu psicoterapia permaneceram em remissão comparados a 33% daqueles que não receberam. No pós-tratamento imediato, os níveis de hemoglobina glicosilada nos dois grupos não foram diferentes 17, A presença de complicações do diabetes e de baixa aderência ao controle da glicemia foi preditor de pior resposta à TCC 18, Embora esses resultados sejam favoráveis, a literatura carece de mais estudos investigando a eficácia da terapia cognitiva e cognitivo-comportamental para a depressão associada ao diabetes. Intervenções integradas Dois grandes estudos avaliaram o tratamento da depressão associada ao diabetes. Em um desses estudos, a eficácia de um tratamento otimizado para a depressão foi avaliada em uma subamostra de 417 (23,1%) pacientes com diabetes melittus e depressão do Improving Mood-Promoting Access to Collaborative Treatment (IMPACT) 19, O IMPACT foi realizado em 18 centros clínicos diferentes com mais de 1.800 pacientes com depressão. A intervenção foi constituída por terapia baseada na resolução de problemas ( problem solving therapy ), programa educativo e orientação para os clínicos utilizarem antidepressivos e o controle foi o tratamento usual ( usual care ). A intervenção foi realizada pelo médico de atenção primária orientado por um gestor de tratamento. Os pacientes foram avaliados para depressão, prejuízos funcionais e capacidade de cuidar do diabetes em 3, 6 e 12 meses por intermédio de avaliações cegas independentes. O acompanhamento da glicemia foi feito por meio de níveis sanguíneos de hemoglobina glicosilada. Após doze meses, os pacientes que receberam a intervenção apresentaram menor intensidade da sintomatologia depressiva, melhor funcionamento global e maior frequência de atividades físicas semanais. Apesar das melhoras obtidas, a glicemia não foi afetada pela abordagem terapêutica 19, O outro estudo foi realizado por Katon et al,, randomizado controlado em que se avaliaram 329 pacientes com diabetes e comorbidade com depressão e distimia. Os participantes foram divididos em dois grupos: o grupo controle que recebeu os cuidados usuais e o grupo que recebeu a intervenção que consistia em enfermeiros treinados para resolução de problemas em depressão na atenção primária, sob supervisão de psiquiatra, psicólogo e médico de família. Para o grupo com intervenção, foi oferecida terapia orientada para resolução de problemas ou antidepressivos, tratamento que foi reavaliado no decorrer do estudo e alterado conforme necessidade. No grupo intervenção, houve maior adequação da dosagem dos antidepressivos, menor gravidade da depressão, melhor funcionamento global e maior satisfação com o tratamento durante todo o estudo. No entanto, não houve diferença nos níveis de hemoglobina glicosilada 20, Ambos os estudos, bem desenhados e metodologicamente bem feitos, apontaram para melhora significativa da depressão nos grupos que receberam a intervenção, caracterizada por acompanhamento mais sistemático e tratamento adequado para a depressão. Entretanto, nos dois grupos a intervenção não mostrou benefícios significativos para melhora dos níveis glicêmicos. Uma das possíveis explicações é que todos os participantes apresentaram bons controles glicêmicos na entrada. Antidepressivos Alguns antidepressivos possuem efeitos sobre a glicemia e requerem atenção especial quando utilizados em pacientes com diabetes. Antidepressivos tricíclicos e tetracíclicos, particularmente aqueles com ação predominantemente noradrenérgica como a imipramina, nortriptilina e maprotilina, podem inibir a liberação de insulina pelo pâncreas e causar aumento da glicemia. Os tricíclicos possuem atividade anticolinérgica e anti-histamínica e podem causar hipotensão postural e sintomas cardiovasculares, o que possibilita amplificar sintomas da diabetes. Ainda podem causar aumento do peso e do desejo por ingesta de carboidratos e, no início do tratamento, há descrição de causarem hipoglicemia 21, Por todas essas evidências, essa classe de antidepressivos não deve ser considerada como primeira escolha. Já a bupropiona, apesar de compartilhar da ação predominantemente noradrenérgica, não alterou a liberação de insulina nem os níveis de hemoglobina glicosilada em um estudo realizado com homens com diabetes e disfunção erétil 22, Os inibidores seletivos de recaptura de serotonina (ISRS) têm sido associados a uma redução dos níveis de glicemia. Estudos com utilização de fluoxetina foram associados à redução da necessidade de insulina possivelmente via aumento da sensibilidade periférica desta. Esses estudos ainda mostraram redução significativa no peso, glicemia de jejum, hemoglobina glicosilada, colesterol total e a fração LDL e triglicérides. Em um estudo duplo-cego, controlado com placebo, uma dose máxima de 40 mg/dia de fluoxetina foi utilizada em 60 pacientes por oito semanas. Houve redução significativa nos escores da Hamilton e Beck e melhora nos níveis de hemoglobina glicosilada, porém não significativa, possivelmente pela curta duração do estudo 23, A tendência à melhora dos níveis de hemoglobina glicosilada com o uso da fluoxetina foi confirmada por outros estudos, mas não foi verificada com o uso de paroxetina em pelo menos dois estudos 24,25, Em um estudo randomizado duplo-cego, controlado com placebo, a sertralina mostrou ser eficaz para prevenir recaídas 26, Durante um acompanhamento de 52 semanas ou até a vigência de uma recaída, o tempo para a ocorrência da recaída em um terço da amostra aumentou de 57 dias (em 73 pacientes que receberam placebo) para 226 dias (em 79 pacientes que receberam sertralina). A taxa de recaída foi significativamente menor no grupo com sertralina, com uma hazard ratio de 0,51. Durante o período em que os pacientes permaneceram em remissão da depressão, a taxa de hemoglobina glicosilada permaneceu significativamente inferior àquela do período da depressão, sem, entretanto, apresentar diferença entre os grupos placebo e sertralina 26, O estudo de Derijks et al,27 avaliou a correlação entre o uso de antidepressivos em pacientes diabéticos e a taxa de internação por hipoglicemia nestes. Não foi observado aumento de risco para hipoglicemia com antidepressivos. No entanto, houve uma tendência maior em pacientes que fizeram uso de medicações com maior afinidade serotoninérgica e, naqueles que usaram por mais de três anos, o risco para internação por hipoglicemia foi três vezes maior. Os IMAOs podem causar hipoglicemia por diminuir o substrato para a gluconeogênese. A maioria dos autores afirma que sua associação com hipoglicemiantes orais pode causar um risco significativo de hipoglicemia, que, associado ao seu potencial de aumento do peso e às limitações dietéticas impostas, dificulta seu uso em diabéticos 14, A interferência da duloxetina no controle glicêmico foi avaliada em estudo voltado para tratamento de neuropatia diabética 25, Os pacientes que utilizaram duloxetina tiveram discreto aumento da glicemia de jejum a curto e longo prazos, sem aumento da hemoglobina glicosilada. Não encontramos em nossa revisão dados significativos sobre os demais antidepressivos disponíveis para comercialização. Há poucas referências nos estudos ao tratamento com eletroconvulsoterapia (ECT), sabidamente eficaz para depressão. Há relatos de melhora da glicemia em pacientes com diabetes de menor gravidade, possivelmente pela diminuição dos níveis de hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) e cortisol que podem estar elevados na depressão. Já em pacientes com um quadro mais severo de diabetes, a glicemia pode aumentar, o que pode estar relacionado à reversão da anorexia pela melhora da depressão. Portanto, nos pacientes diabéticos submetidos à ECT deve ser realizado monitoramento cuidadoso da glicemia 28, O diabetes mellitus é uma doença crônica grave, com diversas complicações sistêmicas e elevada associação com a depressão. Há evidências de que a depressão é um fator de risco para desenvolvimento de diabetes e que os pacientes diabéticos têm maior incidência de depressão. Já os pacientes diabéticos com depressão apresentam maior sintomatologia diabética do que os sem depressão. Os tratamentos disponíveis para depressão melhoram os sintomas depressivos, mas a terapia cognitivo-comportamental e as abordagens de intervenção integrada não têm sido associadas à redução dos níveis glicêmicos. Os ISRS são boas opções para o tratamento da depressão em pacientes diabéticos por apresentarem poucos efeitos anticolinérgicos, cardiovasculares e de hipotensão postural, não aumentarem o peso e tenderem a reduzir os níveis glicêmicos, embora não haja estudos que comprovem isso com significância estatística 21, Por outro lado, os antidepressivos tricíclicos, embora eficazes em tratar a depressão, foram associados a aumento da glicemia. Concluindo, o tratamento farmacológico ou psicoterápico da depressão associada ao diabetes é eficaz. Recomenda-se atenção para o possível efeito dos antidepressivos sobre o controle glicêmico.

You might be interested:  Quem Tem Diabetes Pode Tomar Chá De Erva Doce?
  • Endereço para correspondência: Renério Fráguas. Grupo de Interconsultas Hospital das Clínicas da FMUSP Rua Dr. Ovídio Pires de Campos, 785, 3º andar, sala 13 05403-903 – Cerqueira César, São Paulo, SP
    1. Recebido: 9/12/2008
    2. Aceito: 20/2/2009
    3. Serviço de Endocrinologia e Metabologia da Divisão de Clínica Médica 1 da Unidade de Neuroendocrinologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).

    : Depressão e diabetes mellitus
    Ver resposta completa

    Quem toma fluoxetina pode tomar café?

    Homepage Pergunte Ao Especialista Estou Tomando Fluoxetina,Pra Ansiedade.posso Continuar Tomando Café Normalmente?

    1 respostas Estou tomando fluoxetina,pra ansiedade.posso continuar tomando café normalmente? Não há problemas em tomar café durante o uso da fluoxetina. O café deve ser usado com moderação porque em excesso pode piorar sua ansiedade.
    Ver resposta completa

    Qual é o efeito da fluoxetina?

    Fluoxetina: para que serve, como tomar e efeitos colaterais

    A fluoxetina é um antidepressivo da classe dos inibidores seletivos da recaptação da serotonina, que age inibindo a absorção de serotonina pelos neurônios, que quando tem os níveis baixos pode causar depressão, síndrome do pânico, ansiedade ou sintomas obsessivo-compulsivos.Este medicamento está disponível em farmácias, com o nome comercial Prozac ou na forma de genérico com o nome cloridrato de fluoxetina ou com os nomes similares Eufor, Daforin, Fluxene ou Verotina, por exemplo, e é vendido somente com prescrição médica e retenção de receita pela farmácia.A fluoxetina pode ser encontrada em forma de cápsulas de 10 mg, comprimidos de 20 mg ou na forma de solução em gotas de 20mg/mL, administradas por via oral.

    Quem Tem Diabetes Pode Tomar Fluoxetina
    Ver resposta completa

    Pode tomar fluoxetina junto com glifage?

    Posso tomar glifage com antidepressivo? Sim pode usar os dois juntos.
    Ver resposta completa

    Quais são os benefícios de fluoxetina?

    Como a fluoxetina ajuda a combater a depressão? – A fluoxetina é um dos principais remédios no combate a depressão. Além disso, é um medicamento que tem como finalidade aumentar os níveis de serotonina. Portanto, sendo o neurotransmissor responsável por regular sensações como o humor, bem-estar, sono, apetite, concentração, entre outras.
    Ver resposta completa

    Porque a fluoxetina emagrece?

    Por que a fluoxetina emagrece? A fluoxetina é um antidepressivo que age inibindo a absorção de serotonina pelos neurônios, levando a um aumento dessa substância no cérebro, influenciando no humor e no controle do apetite, o que pode causar uma redução da ingestão de alimentos e uma diminuição do peso corporal.
    Ver resposta completa

    Faz mal tomar fluoxetina todos os dias?

    O uso contínuo da fluoxetina é indicado em muitas doenças e normalmente os riscos são mínimos. Os efeitos colaterais de quaisquer medicações, no início do tratamento são bem comuns e passam com o tempo.
    Ver resposta completa

    Quanto tempo leva para perder peso com fluoxetina?

    A perda máxima de peso com fluoxetina é atingida por volta de seis a nove meses, e o uso prolongado da medicação pode estar associado a reganho de peso.
    Ver resposta completa

    Quem tem diabete pode tomar remédio para ansiedade?

    Tire todas as dúvidas durante a consulta online – Se precisar de aconselhamento de um especialista, marque uma consulta online. Você terá todas as respostas sem sair de casa. Mostrar especialistas Como funciona? Quem Tem Diabetes Pode Tomar Fluoxetina A sertralina não é contra-indicada para quem tem diabetes. Além disso, a sertralina é um medicamento que tem pouco risco de causar interações medicamentosas, sendo bem indicada no caso de pacientes que fazem uso de vários medicamentos ao mesmo tempo. Alterações de glicemia tanto para mais quanto para menos já foram observados em pacientes diabéticos que inciaram o uso do medicamento, essas alterações estão mais relacionadas com as mudanças de hábitos causadas pelo tratamento com a sertralina do que com efeito direto da medicação.

    Oi! Eu fiz o desmame do serenata na menor dose, depois parti ao meio. Fiz mais de 4 semanas. No entanto, hoje estou há dois dias sem a medicação e tenho tido vertigem (apenas isso). É normal? Até quantos dias ainda posso ter isso? Comecei a tomar sertralina 50mg a 8 dias minhas mamas estao doloridas e saindo um liquido tupo leite tem relação com o medicamento? Olá estava fazendo uso de setralina marca serenata de 100 mg por dia há 22 dias, e fui na médica ela aumentou pra 150mg. Estou com tremores e sensação de cansada, é normal? Vai passar esses efeitos? A sertralina em maior quantidade ajuda com o estresse? Eu tomava 100 mg agora tô tomando 0,75mg, isso aumenta o nível do estresse? Eu já não tomo mais remédio de dormir. Parei de tomar sertralina e faz 3anos que tomo,no começo estava bem mais agora parece que não faz efeito tenho mudança de humor dor nas pernas e agora uma vertigem na cabeça. O que fazer? Faço uso de setralina de 150mg, e queria saber se posso fumar ou beber? Tomo sertralina 100mg há quatro meses, desde o início notei que um olho ficou mais fundo e baixo do que o outro e tambem perdi peso mesmo comendo muito, é para me preocupar? Bom dia! Tomei sertralina de 50 mg a três anos atrás, retornei ao médico e iniciei com s mesma dosagem faz 2 meses. Muito efeito rebot como, tremor, palpitação, aumento da ansiedade e etc. parei de tô ar e vou voltar ao médico. Quanto tempo esses efeitos ficam no corpo com a suspensão do mesmo. Obrigado. Bom dia, Estou tomando sertralina de 25 MG. Agora estou tomando nicoliv para deixar de fumar, Será que tem algum problema por eu t tomando sertralina? Obrigada. Comecei a tomar sertralina hj e estou sentindo muito aperto no peito, é normal?

    Ver resposta completa

    Pode tomar fluoxetina junto com glifage?

    Posso tomar glifage com antidepressivo? Sim pode usar os dois juntos.
    Ver resposta completa

    O que a fluoxetina faz no cérebro?

    O que é fluoxetina? – Antidepressivo da segunda geração, é um princípio ativo de medicações que atuam por meio dos neurotransmissores serotoninérgicos. Ou seja, é uma substância que atua no cérebro para aumentar os níveis de serotonina – um neurotransmissor responsável por regular o humor, apetite, entre outras funções.
    Ver resposta completa

    Qual é o melhor horário para tomar fluoxetina?

    O ideal é tomar a Fluoxetina pela manhã, após o café. Como a maioria das pessoas se sentem mais ativas e dispostas com a medicação, o período da manhã é o melhor. Raramente, os pacientes sentem sonolência com a Fluoxetina, mas se esse for o seu caso, fale com o seu médico e, possivelmente, ele modificará o horário.
    Ver resposta completa